INÍCIO QUEM SOMOS ÁREA DE ATUAÇÃO ESTRUTURA NOTÍCIAS ARTIGOS CONTATO
 
 
Deborah Guerner é repreendida ao tentar tumultuar início de julgamento no TRF
21.07.2011

A corte especial do Tribunal Regional Federal da 1ª Região decide hoje (21), a portas abertas, se o ex-procurador-geral de Justiça do Distrito Federal Leonardo Bandarra e a promotora Deborah Guerner vão responder criminalmente por envolvimento no esquema de corrupção que ficou conhecido como mensalão do DEM. Os dois são acusados extorsão, quebra de sigilo funcional e formação de quadrilha.
No início da sessão, os desembargadores decidiram abrir o julgamento à imprensa, ao contrário do julgamento anterior, em outubro. Na ocasião, o TRF rejeitou recurso em que Deborah Guerner alegava insanidade mental.
Durante a discussão sobre a abertura da sessão de hoje, ela tentou interferir e gritou aos desembargadores: “O Arruda [ex-governador do DF José Roberto Arruda] não foi denunciado, nem o Paulo Octávio [ex-vice-governador do DF] nem ninguém!”. O presidente do tribunal, Olindo Menezes, a repreendeu: “Se a senhora falar mais uma vez vou retirá-la daqui. A senhora não é obrigada a estar presente, mas, se tumultuar mais uma vez, vai ser retirada”. A partir daí, Deborah calou-se e se sentou-se ao lado do espaço onde ficam os jornalistas.
Os desembargadores julgam agora a denúncia de extorsão. Deborah e Bandarra teriam exigido R$ 2 milhões do então governador José Roberto Arruda para não divulgar vídeos em que ele aparecia recebendo dinheiro do ex-secretário de Relações Institucionais do DF Durval Barbosa, delator do esquema.
As acusações de quebra de sigilo funcional e de formação de quadrilha serão julgadas à tarde.

Fonte: ABr

WEBMAIL
Login
Senha
 
ADMINISTRATIVO
Login
Senha
 
 
CopyRight © 2010 - Eduardo Granzotto - TWNet