INÍCIO QUEM SOMOS ÁREA DE ATUAÇÃO ESTRUTURA NOTÍCIAS ARTIGOS CONTATO
 
 
Senadores querem atuação mais efetiva do governo para dar competitividade ao agronegócio
04.08.2011

Senadores querem uma participação mais efetiva do governo federal para tornar o agronegócio brasileiro mais competitivo. A exigência foi feita em audiência pública realizada nesta quinta-feira (4) pela Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), para discutir a situação dos acordos internacionais que impactam diretamente nas cadeias produtivas do leite, do arroz, do trigo, da carne e do vinho.

Após ouvir exposição de especialistas, que relataram as dificuldades por que vêm passando seus respectivos setores, a autora do requerimento para a realização do debate, senadora Ana Amélia (PP-RS), chegou a dar uma data para que o governo tome uma atitude concreta.

- O dever de casa é do governo. Vamos dar um tempo de duas semanas para acompanhar a evolução do que foi aqui tratado - afirmou a senadora pelo Rio Grande do Sul.

Para Ana Amélia, os especialistas foram claros ao expor suas principais dificuldades: câmbio desfavorável para as exportações, com a desvalorização constante do dólar em relação ao real, e os acordos do Mercosul, que precisam ser revisados para evitar que o alto custo de produção nacional continue a prejudicar a capacidade competitiva brasileira.

Políticas

Na avaliação do vice-presidente da CRA, Waldemir Moka (PMDB-MS), que presidiu a reunião, a audiência desta quinta foi realizada em socorro ao agronegócio brasileiro, que sofre com a falta de políticas de compensação para torná-lo mais competitivo, como ressaltou.

Segundo explicou o senador pelo Mato Grosso do Sul, o agronegócio merece atenção do governo, já que vem, ao longo dos anos, por meio de superávit nas exportações, cobrindo o déficit das transações comerciais.

Waldemir Moka também ressaltou a necessidade de harmonização das políticas comerciais entre os países membros do Mercosul para completar o processo de integração do bloco. Defendeu ainda a contemplação do agronegócio no "Plano Brasil Maior", lançado na quarta (3) pelo governo federal para fortalecer a indústria brasileira.

Para o senador Sergio Souza (PT-PR), o maior problema do agronegócio está na desvalorização do dólar, que gera um custo em cadeia, favorecendo as importações e tornando, assim, o mercado brasileiro menos competitivo.

- Temos, com isso, menos lucro e pouco incentivo para produzir. È preciso uma ação do governo federal - afirmou Sérgio Souza.

"Adidos"

Para melhorar a política de exportação brasileira, o senador Antônio Russo (PR-MA) sugeriu que algumas embaixadas brasileiras tenham "adidos da empresa privada".

Já Casildo Maldaner (PMDB-SC) sugeriu estimular o cooperativismo entre pequenos produtores, para agregar mais renda às pequenas propriedades e garantir também uma produção com sustentabilidade, "para que o país possa competir não só internamente, mas também no cenário mundial".


Fonte: Agência Senado

WEBMAIL
Login
Senha
 
ADMINISTRATIVO
Login
Senha
 
 
CopyRight © 2010 - Eduardo Granzotto - TWNet