INÍCIO QUEM SOMOS ÁREA DE ATUAÇÃO ESTRUTURA NOTÍCIAS ARTIGOS CONTATO
 
 
Denúncia contra José Borba não vale porque está baseada somente em depoimentos, diz advogado
14.08.2012

Brasília – O advogado Inocêncio Coelho, representante do ex-deputado federal José Borba (PMDB-PR) no processo do mensalão, disse ontem, (13) que a denúncia contra seu cliente não é válida, pois está baseada no depoimento do publicitário mineiro Marcos Valério. Segundo Coelho, Valério é uma “personagem cuja própria denúncia afirma que apresentou informações inconsistentes.”

De acordo com o advogado, os depoimentos que constam nos autos do processo são de "indivíduos não confiáveis”. Ele alegou que o próprio Ministério Público Federal (MPF) considerou as declarações de Marcos Valério contraditórias e que continham versões distintas. “Foram sucessivas mudanças de versão para os mesmos fatos. É nesse denunciante que o Ministério Público se apoia.”

Borba foi líder da bancada do PMDB na Câmara dos Deputados e, atualmente, é prefeito em Jandaia do Sul (PR). Ele é acusado pelo MPF de receber dinheiro ilegal do publicitário Marcos Valério para articular a favor do governo no Congresso Nacional. Ele responde pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Coelho negou que Borba tenha recebido R$ 2,1 milhões de Marcos Valério. Segundo o defensor, o testemunho de Simone Vasconcelos, ex-diretora financeira da SMP&B, agência de publicidade de Valério, também é inverossímil. "Não há nome, não há recibo, não há prova material ligando José Borba. E, mesmo assim, [a denúncia diz que ele] recebeu dinheiro"

O advogado seguiu ainda a linha de outros defensores de réus do processo do mensalão e criticou as acusações do Ministério Público. Para ele, o MPF não foi capaz de apresentar provas contra Borba. “No presente caso, o Ministério Público não conseguiu provar, embora lhe coubesse esse ônus sob pena de tornar inconsistente a peça acusatória".

Antes de a sessão ser encerrada, os ministros do STF discutiram a possibilidade de acrescentar um sexto advogado, mas o próprio defensor do ex-deputado Paulo Rocha pediu para ser ouvido apenas na sessão de hoje (14), que começa às 14h.

Fonte: Agência Brasil

WEBMAIL
Login
Senha
 
ADMINISTRATIVO
Login
Senha
 
 
CopyRight © 2010 - Eduardo Granzotto - TWNet