INÍCIO QUEM SOMOS ÁREA DE ATUAÇÃO ESTRUTURA NOTÍCIAS ARTIGOS CONTATO
 
 
Condenado no STF, João Paulo deixa candidatura em Osasco
31.08.2012

Condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no processo que investiga o escândalo do mensalão, o deputado João Paulo Cunha desistiu da candidatura a prefeito de Osasco, na Grande São Paulo. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (30) e confirmada ao Bom Dia São Paulo pelo presidente do Partido dos Trabalhadores (PT) da cidade, João Góis, nesta sexta (31).

João Paulo Cunha ficou reunido com lideranças municipais do PT no Sindicado dos Bancários de Osasco por mais de duas horas na noite desta quinta-feira. Ele deixou o local sem falar com a imprensa.

Com a desistência de Cunha, a chapa da coligação "Osasco Unida com a Força do Povo" terá Jorge Lapas, então candidato a  vice, como candidato a prefeito, e o vereador Valmir Prascidelli (PT), como candidato a vice. A coligação é formada por 18 partidos - PT, PR, PTN, PDT, PSDC, PV, PP, DEM, PSL, PSB, PPL, PTC, PMDB, PSC, PRB, PRP, PHS e PRTB.

Segundo dados disponíveis no site da Prefeitura de Osasco, a cidade da Grande São Paulo tem cerca de 700 mil habitantes - a quinta maior população do estado de São Paulo - e o décimo PIB entre os municípios brasileiros.

Campanha

O comitê de campanha abriu as portas normalmente na manhã desta quinta-feira. Por volta das 10h30, partidários com bandeiras de Cunha estavam na Praça Manoel Coutinho, fazendo campanha, além de um carro de som que circulava nas ruas do bairro.

Julgamento

João Paulo Cunha foi acusado de corrupção passiva por receber R$ 50 mil em 2003 do empresário Marcos Valério, que tentava firmar um contrato de publicidade com a Câmara. De acordo com a acusação, em troca, o deputado teria firmado um contrato de R$ 10 milhões com a agência do publicitário.

A acusação de peculato é feita por desvio de recurso público a um servidor. O advogado de Cunha, Alberto Zacharias Toron, afirmou nesta quarta-feira que irá recorrer ao próprio STF ao final do julgamento do mensalão com embargos infringentes.

O instrumento jurídico é um dispositivo que, em tese, pode reverter uma condenação ou absolvição. Para que os defensores tenham direito de apelar para o recurso, basta que haja, pelo menos, quatro votos absolvendo os réus. Caso o pedido seja acolhido, haverá um novo julgamento, inclusive com nomeação de novo relator e revisor, para reavaliar a acusação.
Veja a íntegra da nota divulgada pelo PT de Osasco:

“O Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores de Osasco e a coligação Osasco Unida com a Força do Povo comunicam que o deputado João Paulo Cunha não é mais candidato a prefeito de Osasco.

Amadurecida ao longo dos últimos dias, esta decisão se consolidou diante da decisão tomada pelo Supremo Tribunal Federal nesta quinta-feira, que é de conhecimento público. Depois de longa reflexão pessoal, em coerência com os princípios que pautam sua vida pública e em atinência aos seus compromissos com a cidade, João Paulo decidiu retirar seu nome e assim continuar contribuindo com o desenvolvimento de Osasco, objetivo inarredável do projeto e da administração levados a efeito pelo Partido dos Trabalhadores nos últimos anos. Dessa decisão participaram sua família, seus companheiros e a direção de seu partido, que acompanham sua trajetória de vida e com ele lutaram, e lutam, pela construção de um Brasil mais justo. Essa é uma luta de mais de 30 anos, que teve e tem como objetivos o compromisso com o bem comum e o combate às injustiças.

Por decisão unânime e com sua concordância, a coligação Osasco Unida com a Força do Povo apresenta à cidade a chapa formada por Jorge Lapas, como candidato a prefeito, e pelo vereador Valmir Prascidelli, candidato a vice. São os nomes que reúnem as melhores condições e as mais altas qualidades exigidas para bem administrar Osasco e cuidar do seu povo, levando adiante e avançando nas conquistas construídas pelo PT na gestão Emídio de Souza.”

Fonte: Portal G1

WEBMAIL
Login
Senha
 
ADMINISTRATIVO
Login
Senha
 
 
CopyRight © 2010 - Eduardo Granzotto - TWNet